segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Poetas

Há algum tempo não ecsrevo aqui. Essa minha vida anda tão cheia de coisas que eu que reclamava do tédio tive assunto de mais pra escrever, não soube escolher um, mas confesso que ando preferindo as cartas em papéis de carta. Mas acho que vou voltar para cá. Volto com este texto que estava guardado nos arquivos, o escrevi quando tive um medo estranho.

Poetas não sabem amar, sabem apenas contemplar o amor, sabem tudo sobre ele, se aprofundam em suas raízes e idealizam sua importância, mas poetas não sabem amar.
Verdadeiros poetas são essencialmente covardes, vivem em suas ilusões de felicidades e escondem-se da realidade quando esta lhe bate a porta. Verdadeiros poetas são inveterados bêbados, moram pelos bares sentindo a noite lhes roçar a embriagues, gostam do que não podem alcançar, poetas querem tocar o infinito, nutrem verdades impossíveis. Verdadeiros poetas são retratos do absurdo.
Mas poetas não sabem amar, poetas sabem da dor, gostam da dor e a cultivam com imensa adoração. A relíquia dos poetas não é o amor nem qualquer outra coisa, é simples e essencialmente a dor. A dor é íntima, é sentimento próprio e independente. A dor é a única coisa que lhes pertence, é o seu território autêntico.
Poetas são pedaços de exagero e melancolia que se movem em torno de qualquer luz, brisa, campo ou detalhe que lhes pareça território fértil. Poetas são genitores de pequenas e grandes agonias. Poetas nascem fazendo tranças. Entrelaçam fios de vida e beleza com suas próprias quinquilharias dolorosas. Poemas são redes trançadas com o coração. Bons poemas sangram e bombeiam tempestades em copos de água.
Bons poetas são artistas sem nenhum caráter. Têm o dom de nos envolver em contrastes. Bons poetas são inventores de cor. Bons poetas não sabem amar, bons poetas sabem ser amor.

4 comentários:

Nanda disse...

Que bom que voltou por aqui e como sempre, com palavras lindas!

beijos!

Wanderley Elian Lima disse...

Costumo dizer que, se todos os amores fossem correspondidos, os poetas não teriam inspiração. São amantes da dor e dos desencontros.
Bjux

Mari disse...

Essa dor e esse exagero poético talvez seja necessario para verdadeiros poetas, afinal os mais belos poemas são feitos de dor e magoás!
Poucas pessoas talvez saibam definir poetas com essa tua bela visão!
Lindo post!
Beijos

Priscila Grou disse...

Sabe porque vc os define tão bem? Tá no sangue minha linda irmazinha mais nova!
Temos um poeta em nosso seio, e as vezes penso que mais de um....Talvez vc...a filha mais nova, seja a continuação e a perpetuação da obra dele...nosso pai.

Eu vou admirando..vc e ele. Ele não tem culpa...a alma dele está aquém...

Te amo!