sexta-feira, 22 de abril de 2011

Auê

Que a simplicidade do título não apague a complexidade do assunto, que quando eu descobri o porque eu reclamava tanto de uma tal bagunça em que estava metida nesse imenso mundo meu (indeciso, crítico, molhado e com diversas texturas que nem consigo formular quantas são entre as mais ásperas e as mais suaves), você me ensinou: "Conhece-te a ti mesmo".
E aqui estou eu, destrinchada, revirada e sem-vergonha com a boca regada por sua saliva e cheia de palavras que deixaram a pernosticidade para saberem humildemente do que dizem e sentem. Saboreio incrível e delicadamente os verdadeiros sabores! Tantos que só sei que o que mais gostei é o mais doce desses todos, este localiza-se exatamente no meio do caminho entre as minhas e as tuas salgadas lágrimas.
Mas não contamos isso para todo mundo, tanto egoístas quanto medrosos guardamos todas as nossas sensações, descobertas e madrugadas de sábado comendo doces para nós dois e nesse auê de opinarem sem saberem das nossas permutas e construções e tomando conhecimento apenas das nossas pegadas deixadas ganhamos um muro entre nós, transponível apenas por verdades que eu não estou disposta a dizer. 
E agora eu não sei como te deixar para bem, bem mais tarde. Não sabemos, fortaleza de areia.       

Nenhum comentário: