terça-feira, 21 de junho de 2016

Ritmia

Não quero me esconder, não preciso de proteção de ninguém, menos ainda da sua, que não sabe saber nem o que quer. Eu sei que você quer fugir de tudo, sei que não quer aceitar o que vem pela frente, sei que insiste em permanecer nesse mesmo lugar onde tudo é igual e sem consequências, sei também que a imutabilidade te cansa e você está sempre enjoado. "Enjoei de você"; porque voltou agora? Porque insiste em manchar ainda mais as surradas roupas do meu coração, que é tão vagabundo? Não queira o afago onde ainda existem os restos do escarro. Todo o lugar agora é uma sala imunda e profana, o cúmulo dos passatempos, onde ninguém pede nada, apenas o que existe espontaneamente pode ser dado, apenas as mãos falam, breu e silencio total, não deixe seus malditos olhos iluminarem nada. Hipnose. Calmaria. Game Over.


Nenhum comentário: